Ligamento Cruzado Posterior



O que é o Ligamento Cruzado Posterior (LCP)?

O ligamento cruzado posterior é uma estrutura firme que liga o fêmur à tíbia.
É o ligamento mais largo e mais forte do joelho!
Tem a função de impedir que a tíbia (osso da perna) deslize para trás do joelho.
Juntamente com o ligamento cruzado anterior, os dois ligamentos são responsáveis pela estabilidade do joelho.


Como ocorre a rotura do LCP?

Como já vimos, o ligamento é bastante forte, logo é necessário um trauma de muita energia para romper o ligamento cruzado posterior.
Normalmente está associado a traumas de maiores energias, como acidentes de carro (trauma no painel do carro), motocicleta, atropelamento ou queda de alturas.
Além disso, pela energia do trauma as rupturas são normalmente combinadas com outras lesões ligamentares, como a lesão do Ligamento Colateral Medial (LCM), Ligamento Colateral Lateral (LCL) ou até mesmo do Ligamento Cruzado Anterior (LCA).
Raramente sua ruptura é isolada.


O que o paciente sente quando o Ligamento Cruzado Posterior rompe?

Dor, inchaço, desconforto e dor são os principais sintomas na hora do trauma.
Se o LCP romper juntamente com outro ligamento, o paciente irá também apresentar instabilidade e falseio do joelho.


O que são os ligamentos meniscofemorais?

Os ligamentos meniscofemorais são pequenos ligamentos que às vezes podem ser encontrados na articulação do joelho. Eles se fixam no menisco lateral e seguem um curso semelhante ao longo do LCP para se fixarem no fêmur. Um dos ligamentos meniscofemorais se fixa na frente do ligamento cruzado posterior (ligamento de Humphrey) e o outro, atrás (ligamento de Wrisberg). O anterior está presente em 30% dos pacientes e o posterior em 60% dos joelhos. Ambos os ligamentos ajudam o ligamento cruzado posterior e evitam que o joelho deslize para trás. Veja o vídeo de anatomia.


Como diagnosticar a lesão do Ligamento Cruzado Posterior?

Entender o mecanismo de trauma e realizar o exame físico adequadamente é a melhor maneira de se fazer o diagnóstico da lesão deste ligamento.
Procure um profissional de sua confiança!
Os exames complementares como radiografias e ressonância magnética fazem parte da investigação e ajudam a identificar lesões associadas como lesões de menisco, cartilagem e de outros ligamentos.


A lesão do LCP cicatriza sozinha?

A maioria das lesões isoladas do ligamento cruzado posterior (Graus I e II) geralmente cicatrizam por conta própria. Isso ocorre porque o ligamento cruzado posterior possui uma bainha densa que protege o ligamento cruzado posterior durante a cicatrização. Uma coisa importante a avaliar é a função real do ligamento cruzado posterior. Embora possa parecer normal e saudável na ressonância magnética após 6 meses, pode cicatrizar em uma posição alongada. Embora pareça “normal” na ressonância magnética, pode não estar funcionando corretamente no joelho. Pense em um elástico que foi esticado e, subsequentemente, não pode voltar à tensão anterior.
Nestes casos, radiografias de estresse, onde o ligamento cruzado posterior é testado de maneira dinâmica, podem ajudar a determinar a gravidade da lesão e a funcionalidade do ligamento.


A lesão do Ligamento Cruzado Posterior precisa ser operada?

A lesão do ligamento cruzado posterior pode ser classificado em 3 graus de acordo com a gravidade.
Grau 1: uma pequena ruptura parcial.
Grau 2: uma ruptura quase completa.
Grau 3: uma ruptura completa em que o ligamento não é funcional.
Normalmente, associada a outras lesões em outros ligamentos do joelho (mais comumente as estruturas póstero-laterais do joelho).

As lesões parciais isoladas podem ser tratadas de maneira não cirúrgica.
No entanto, as lesões totais e com lesões ligamentares associadas necessitam de tratamento cirúrgico.


Como é a cirurgia do Ligamento Cruzado Posterior?


A cirurgia do Ligamento Cruzado Posterior deve ser individualizada para cada paciente.
Normalmente a cirurgia é realizada por vídeo (artroscopia) e é semelhante à cirurgia do LCA, pois envolve a perfuração de túneis na tíbia e nos ossos da coxa (tíbia e fêmur) e a fixação de um enxerto nesses túneis.
É necessário utilizar enxertos de tendão para a substituição do ligamento rompido.
Vários tipos de enxerto podem ser utilizados na reconstrução do LCP, normalmente são utilizados enxertos que apresentem parte óssea (quadríceps ou patelar), pois são mais resistentes e promovem melhor fixação no túnel.
Converse com seu cirurgião para saber mais detalhes!


Posso voltar ao esporte após uma lesão no LCP?

Dependendo da gravidade da lesão e das lesões associadas, a maioria das reconstruções do LCP permite retornar ao esporte em aproximadamente 12 meses.
Destaque especial para a fisioterapia que começa no primeiro dia para restabelecer a amplitude de movimento.
Os pacientes não podem apoiar o peso nas primeiras seis semanas após a lesão ou cirurgia. Após esse período inicial, eles podem desmamar as muletas quando conseguirem andar sem mancar. Os pacientes geralmente podem voltar a dirigir duas a três semanas depois de começarem a andar. A resistência e o fortalecimento podem ser iniciados na segunda fase da reabilitação. Os exercícios de agilidade começam aos 4 meses junto com a progressão da corrida se os estágios anteriores foram concluídos com sucesso. Embora o retorno aos esportes seja diferente entre os pacientes, normalmente ele ocorre aproximadamente 12 meses.


Dr. Bruno Butturi
Especialista em cirurgia do joelho
CRM: 175.419 | RQE: 87.292
USMLE certificate number: 0-959-289-0